segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Esclerose Múltipla


Definição
A esclerose múltipla - EM ou esclerose disseminada é uma doença neurológica crônica, inflamatória e extremamente invasiva, de causa ainda desconhecida, sem nenhuma relação com as limitações que surgem com o envelhecimento. Sua maior incidência é em mulheres (3/1 em relação aos homens) e indivíduos da raça branca. Este tipo de patologia é de progressão lenta e leva a uma destruição da bainha de mielina que recobre e isola as fibras nervosas do sistema nervoso central – SNC, estruturas do cérebro como o crânio e a medula espinhal. São fibras nervosas responsáveis pela transmissão de comandos do cérebro às várias partes do corpo, provocando um descontrole interno generalizado. Esta doença tem predileção para danificar tais vias neuronais que controlam os movimentos musculares, daí decorrendo a maior parte dos seus sintomas sem afetar os nervos periféricos.
As fibras nervosas do cérebro e da medula espinhal são envolvidas por uma capa de gordura chamada bainha de mielina. A mielina é uma substância lipídica (armazenadora de energia), constituída justamente por proteínas e gorduras, de cor branca reluzente e de caráter birrefringente, proveniente de algumas células da glia (célula formadora do tecido nervoso). Está presente na chamada bainha de mielina (formada pelas células de Schwann), que rodeia algumas fibras nervosas, fazendo com que tenham uma condução de impulsos nervosos mais rápida (condução saltatória). Os glóbulos brancos e os anticorpos (linfócitos T) que estes produzem destroem a bainha em vários lugares ao longo da fibra, dificultando a transmissão nervosa. Os sintomas da doença, portanto, dependem de quais fibras sejam danificadas.
Não é um processo degenerativo contagioso e, na maioria dos casos, não é fatal e nem letal. Porém, manifesta-se em surtos, com sintomas que levam horas ou dias para aparecerem, persistindo por dois a quatro meses e desaparecendo num processo gradual. A repetição desses surtos (exarcebações) é que determina a gravidade de cada caso.
Dá lugar a sintomas e sinais neurológicos sumamente variados e múltiplos, às vezes com remissões e outras com exacerbações, tornando discutíveis: o diagnóstico (procura das causas), o prognóstico (resultado provável) e a eficiência dos medicamentos.
Não existem causas conhecidas, entretanto estão sendo estudadas causas do tipo: anomalias imunológicas, infecção produzida por um vírus latente ou lento e mielinólise por enzimas. Apesar de não ser herdada, observações de casos familiares sugerem suscetibilidade genética, havendo 15 vezes maior probabilidade de contração da condição.
A maioria dos casos é diagnosticada em adultos jovens, sendo raros em pessoas com mais de 50 anos. As manifestações surgem entre os 20 e os 40 anos de idade, sendo que essa enfermidade teria menor prevalência e incidência na América Latina, principalmente no Brasil, pois é mais comum em climas temperados do que em tropicais.
Sintomas
Esta doença causa uma piora do estado geral do paciente, levando-o à: fraqueza muscular, rigidez e dores articulares, descoordenação motora causando dificuldades para realizar vários movimentos com os braços e pernas, perda do equilíbrio em pé, dificuldade para andar, tremores e formigamento em partes do corpo. Em alguns casos pode causar: distúrbio esfincteriano (incontinência fecal ou retenção urinária), alterações visuais graves (neurite retrobulbar / ambliopia – cegueira temporária / diplopia - por paresia do músculo reto medial unilateral com estrabismo divergente), perda de audição, depressão e impotência sexual. Em estágios mais graves da doença observam-se um comprometimento respiratório, levando inclusive a episódios de infecção ou insuficiência respiratória, que devem ser tratados com atenção e rapidez, minimizando o desconforto do paciente e uma provável piora do seu estado geral, através de exercícios para: desobstruir os brônquios, expansão pulmonar, reeducação diafragmática e musculatura acessória, com uso de incentivadores respiratórios.
Apresentam períodos oscilantes entre melhoras e pioras, sendo que, quando predominante na medula, a dor raramente existe.
A evolução é imprevisível e muito variada. No início pode haver períodos longos de meses ou anos entre um episódio ou outro, mas os intervalos tendem a diminuir e eventualmente ocorre a incapacitação progressiva e permanente. Alguns pacientes se tornam rapidamente incapacitados. Quando a doença se apresenta na meia-idade a progressão é rápida e sem melhoras e às vezes fatal em apenas um ano.
O principal problema para o doente é a progressiva desabilidade, pois só um terço deles será capaz de trabalhar normalmente após 20 anos. A maioria necessitará de se utilizar de cadeira de rodas para se movimentar antes dos 20 e depois do surgimento dos primeiros sintomas. Alguns casos podem surgir antes de 6 anos.
As lesões iniciais caracterizam-se por infiltração: de leucócitos mononucleares, em volta das vênulas, incluindo linfócitos, plasmócitos, e desmielinização individual dos axônios adjacentes. Lesões tardias geralmente são em todo um feixe de axônios. Há infiltração de macrófagos (células T, ativadas por auto-antígeno ainda não determinado) e micróglia (células neurogliais fagocitárias) com aspecto de célula de espuma, ou seja, que fagocitaram grandes quantidades de lipídio, certamente mielina.
Formas clínicas
• relapsante-remitente: é a forma mais comum, com sintomas agudos que se repetem com intervalo de meses ou anos e desaparecem sem deixar seqüelas ou quase nenhuma. Esses quadros agudos podem ser precipitados por infecção, trauma, entre 2 a 3 meses pós-gravidez.
• progressiva-secundária: é uma evolução da forma acima descrita, porém em cada agudização há uma piora da doença, deixando seqüelas importantes como: a cegueira, ataxia (perda da coordenação motora) dos membros, espasticidade, fraqueza, nistagmo (movimento oscilatório/rotatório do globo ocular), disartria (distúrbio da articulação da fala) e síndrome piramidal (déficits motores).
• progressiva-primária: é a pior forma e a doença não ocorre em surtos agudos e nem recorre, porém sua evolução é galopante. Há uma progressão contínua que vai se agravando com os anos dentro das características dela, bem como, podendo detonar o estado de demência se não for tratada a tempo.
• progressiva-recorrente: do tipo progressiva com surtos, desde o princípio, mostrando claramente a progressão das incapacidades geradas em cada crise.

Tratamento
Como não tem cura, não há como impedir a progressão da doença e a terapêutica está direcionada para atrasar a progressão e diminuir a disrupção (interrupção) na vida do paciente pelo alívio dos sintomas. É possível acelerar a recuperação durante a fase aguda inicial ou relapsante. No tratamento são utilizados:
• antivirais: que, se não curam, às vezes melhoram sensivelmente a sintomatologia.
• interferons-beta: são proteínas naturalmente produzidas no corpo, com eficácia comprovada embora sem curar definitivamente a doença. Modula o sistema de defesa imunológico do organismo, reduzindo a auto-agressão desencadeada por linfócitos e anticorpos contra a bainha de mielina das fibras nervosas e, conseqüentemente, diminuindo as inflamações e lesões do cérebro e medula espinhal.
• tônus muscular: há também as drogas antiespásticas, ou seja, diante de uma paraparesia espástica, com lesão dos motoneurônio superiores caracterizando uma condição neurológica anormal e que provoca um aumento do tônus muscular no momento da contração. Os músculos espásticos são mais resistentes à contração do que os normais e também custam mais a se relaxar, permanecendo contraídos por um período de tempo mais longo.
• toxinas botulínica: proteína de origem biológica, comercializada e conhecida pelo nome de BOTOX®, tem mudado a vida de pacientes com distúrbios neurológicos e é agora considerada uma grande aliada no tratamento de reabilitação, embora seus benefícios já tenham sido comprovados há anos no campo da estética. Vem sendo utilizada com muito sucesso no tratamento de pacientes com: paralisia cerebral, traumatismo craniano, acidente vascular cerebral, lesões medulares e outras patologias do sistema nervoso central - SNC. Objetiva amenizar o quadro de espasticidade (aumento do tônus) característico destas patologias e que constitui atualmente um dos maiores obstáculos para a reabilitação neurológica. Portanto, com a utilização da toxina botulínica - tipo A, a espasticidade é controlada e o tratamento se torna mais eficaz, gerando resultados mais amplos os quais tornam os pacientes mais independentes e socialmente ativos.
• betabloqueadores: substâncias que atuam no tratamento de distúrbios do ritmo: dos batimentos cardíacos, hipertensão e angina.
• dores articulares: objetivam a inibição da dor e redução das inflamações articulares.
• dores raras: junto ao trigêmeo. São utilizadas substâncias que deprimem a atividade elétrica excessiva no cérebro, sem afetar demasiadamente a atividade normal, ou seja, inibe a geração de potenciais de ações e úteis no tratamento de disfunções de ansiedade, epilepsia ou convulsão cerebral.
Moriel Sophia
Quer conhecer uma sugestão para tratamento cromoterápico, clique aqui!

As informações contidas neste artigo são da inteira responsabilidade de Moriel SophiaSinaten 0880

www.artecor.com



terça-feira, 27 de outubro de 2009

Diga NÃO ao ATo Médico!!!





O ATO MÉDICO FOI APROVADO NA CAMARA E AGORA VAI PARA O SENADO, NO TEXTO ABAIXO TEM UMA BREVE DESCRIÇÃO DO QUE PODERÁ ACONTECER...

ACESSEM O LINK
COMO DIZER NÃO E PRENCHA OS CAMPOS NECESSÁRIOS É RAPIDINHO NÃO CUSTA NADA!!!

SITE: http://www.atomediconao.com.br/

video


"...O projeto de lei do Ato Médico (PL nº 7.703/2006), na forma aprovada pela Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público (CTASP), pela Comissão de Constituição Justiça e Cidadania (CCJC) e pela Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF), acaba com o direito da população de ter livre acesso aos serviços dos profissionais da saúde. Esse Projeto de Lei transforma os profissionais da saúde em técnicos dos médicos. Ele estabelece que, somente após o diagnóstico nosológico (da doença) e da prescrição terapêutica feita pelo médico, a população poderá ser atendida pelos profissionais da saúde.

Se aprovado, os médicos terão o dir

eito de prescrever os tratamentos em áreas que eles não possuem treinamento e competência como: psicologia, enfermagem, nutrição, fonoaudiologia, fisioterapia, terapia ocupacional, educação física, farmácia, biomedicina, medicina veterinária, odontologia, serviço social, ciências biológicas..."


MUITO OBRIGADO!!




Dr. Renan Omil Pravatta Pivetta
Fisioterapeuta
Crefito-3/ 33827-LTF

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Nossos Pensamentos




NOSSOS PENSAMENTOS

Deveríamos ter maior cuidado com os nossos pensamentos, assim como temos com a nossa higiene, alimentação e cuidados pessoais.
Os nossos pensamentos afetam a nossa realidade. Eu crio a minha realidade pensando. Esta realidade é criada através da experiência que crio em minha consciência. São escolhas que fazemos.
Para que a realidade exista é necessária a nossa contribuição. O mundo material inicia a sua criação em nossos pensamentos e sentimentos. O famoso físico alemão Heisenberg, que desenvolveu a física quântica, afirmou que átomos são tendências e não coisas estabelecidas. Ao invés de pensarmos em objetos, devemos pensar em possibilidades. É a dinâmica da vida evidenciada através da física.
Deveríamos viver a vida conscientemente, sabendo da importância que os nossos pensamentos possuem na criação da nossa realidade. Esquecemos ou não sabemos ou menosprezamos o que os nossos pensamentos podem fazer com o nosso corpo e com a nossa vida.
Maus pensamentos, pensamentos derrotistas, pessimismo, medo, baixa auto-estima e sentimentos de raiva e inveja possuem alto poder destrutivo em nossas células e em nosso ambiente familiar, social e de trabalho. São verdadeiros focos de infecção que se traduzem em doenças e conflitos de toda espécie.
Imaginemos a nossa residência construída com todo o cuidado, constantemente limpa e higienizada. Bem no fim do terreno existe uma fossa aberta de material em decomposição que atrai centenas de moscas, mosquitos e outros insetos afins. Periodicamente, estes insetos visitam a nossa casa, trazendo desconforto e doenças. Para resolver o problema definitivamente não bastam telas nas janelas nem inseticidas. Devemos tapar este foco séptico e elimina-lo.
Do mesmo modo devemos ser enérgicos no combate de nossos pensamentos pessimistas. Vivemos sobre uma massa de pessimismo e o nosso otimismo é apenas um disfarce desta situação. É importante reconhecer o nosso problema para poder resolve-lo.
A minha consciência influencia os outros ao meu redor e suas consciências e os estados materiais ao meu redor. Estamos co-criando o nosso futuro através do que pensamos.
Em breve iremos atingir um nível mais alto de existência compreendendo e aceitando o que realmente somos, o nosso cérebro, o nosso potencial, a nossa transcendência, entendendo o mundo de forma mais dinâmica e menos estática, e assumindo a enorme responsabilidade que temos conosco, com os outros e com o universo.

Celso Traub
Fonte: http://www.celsotraub.com/medsomaeterica/nossospensamentos.htm

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Tratamento da Hipertensão (HAS) pela Cromopuntura


A COLORPUNTURA NO TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO

“No momento, meu espírito está inteiramente tomado pelas leis das cores; Ah, se elas nos tivessem sido ensinadas em nossas juventudes!” (Van Gogh)


O Dr. Peter Mandel, da Alemanha, desenvolveu uma técnica de acupuntura através do uso da Luz e de suas freqüências (cores). Ele chama o seu procedimento de “Colorpuntura”. Mandel criou um aparelho luminoso especial que tem sondas transparentes de diferentes cores capazes de projetar luzes de várias cores diretamente sobre os acupontos (pontos de acupuntura). Ele mapeou todo o corpo humano e determinou alguns padrões definidos do uso da luz e da cor, através da fotografia Kirlian, desenvolvida pelo cientista soviético Semjon Davidovitch Kirlian. A fotografia elétrica Kirlian permitiu que os pesquisadores registrassem graficamente as emanações energéticas do corpo que pareciam estar correlacionadas com diferentes padrões de doença. Percebeu que as luzes parecem “tonificar” ou “dispersar” energias nos acupontos localizados nos meridianos correspondentes a vários órgãos.
A eletronografia, derivada da fotografia Kirlian e desenvolvida na Romênia pelo Dr. Ioan Dumitrescu, também conseguiu registrar acupontos brilhantes ao longo de meridianos ligados a órgãos afetados ou prestes a serem afetados por doenças.
“Na Metafísica Oriental a utilização das cores, é empregada no Feng Shui ou mesmo na estimulação dos pontos. As células humanas estão relacionadas ao microcosmo como as estrelas estão para o macrocosmo, portanto as nossas células captam e emitem luz (freqüência luminosa). Estudos modernos demonstraram que o corpo é capaz de absorver luz entre 60 a 100 hertz, há diversas maneiras de estimularmos os pontos através das cores, talvez a mais simples é utilizando os pontos Shu (Su) Antigos, onde a madeira é verde, o fogo é vermelho, a terra é amarela, o metal é branco e a água é o azul escuro (ou preto). Desta maneira podemos estimular os pontos fogo, madeira, terra, metal e água com as cores correspondentes.” (Prof. Henrique Cirilo)
Até um hoje, um pequeno número de praticantes de Medicina Complementar, tanto na Europa quanto nos Estados Unidos, estão experimentando o sistema Mandel de Colorpuntura, com variáveis graus de sucesso terapêutico.

A
O TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL ATRAVÉS DA CROMOPUNTURA

Através dessa técnica, a Cromopuntura, desenvolvi uma pesquisa no tratamento da Hipertensão Arterial (HAS) em alguns pacientes portadores da síndrome.
Esses pacientes responderam a um questionário, e apresentavam os seguintes sintomas: dor de cabeça de vez em quando, formigamento / dormência nos pés e mãos; sensação de peso nos membros, fraqueza nas pernas, fadiga mental, insônia, irritabilidade, micção freqüente diurna, respiração curta, tinido, tontura intensa, visão “borrada” (turva).
Cada paciente recebeu 10 sessões de cromopuntura, uma sessão por semana. No início e término de cada uma, foram aferidas a pressão arterial (PA) inicial e a final de cada indivíduo em questão.

Após as 10 sessões, os pacientes apresentavam uma diminuição considerável dos sintomas.
Ao término de cada sessão todos os pacientes apresentavam um índice menor de PA, comparado ao início da sessão. Alguns diminuíram a dose dos remédios alopáticos, e a pressão arterial estabilizou-se, deixando de apresentar oscilações agudas (picos de pressão).
Durante o tratamento, todos os pacientes, se mostraram mais tranqüilos, relatando uma melhor qualidade do sono, e de bem estar durante o dia.
Segundo afirma o Dr. Jacob Liberman, pioneiro da fototerapia, a luz é realmente o remédio do futuro. Talvez ela seja a forma de terapia menos invasiva atualmente em uso.
Seja bem - vindo ao mundo da Luz e da Cor!!!!

Este artigo científico, está sendo publicado na íntegra, pela USP (Universidade de São Paulo), pelo setor de Gerontologia. - em breve publicarei aqui também!
http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.jsp?id=K4269168E8 Currículo Lattes de Katiana Silva, colaboradora do meu projeto.

(Fonte de pesquisa: Um Guia Prático de Medicina Vibracional – Dr. Richard Gerber.)
Veja mais sobre cromoterapia, clicando aqui!

Sandra Baptista
Quer falar comigo?
Msn: terapiasecursos@uol.com.br
(011) 8129-1471
São Paulo - SP

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Resgate Essencial


Apenas “levar a vida”... É o que acontece quando alguém deixa de considerar aspectos fundamentais de sua existência, dedicando-se exclusivamente ao trabalho, ao estudo, ou passando a viver uma identidade de “pessoa doente”, “rejeitada” etc. Além de profissional, de estudante, de coincidentemente estar doente ou sentir uma certa desilusão e apatia, você é um ser integral, no qual convergem todos os aspectos de sua ocorrência como ser humano.

Você sente que existe ligação entre seu corpo, sua mente, suas emoções e seu espírito? Ou será que, para você, tudo isso está dissociado?

Você se sente parte do Universo à sua volta, ou tem uma imagem de si como alguém na solidão e no isolamento, a quem ninguém compreende? Como fazer para mudar isso? Para saber mais, clique aqui!

domingo, 9 de agosto de 2009

Medo de ter se contaminado pela gripe suína?


Medo: sentimento negativo pode ser tratado com os Florais de Bach

Medo de contrair doenças, de perder o controle, de algo desconhecido... Para cada um dos seus medos, o Dr. Edward Bach criou um floral, método natural e sem qualquer contraindicação

São Paulo, agosto de 2009 – No último final de semana, os hospitais das grandes capitais ficaram lotados de pacientes amedrontados com a pandemia do desconhecido vírus Influenza A, popularmente conhecida como Gripe Suína. Os números divulgados pelos hospitais mostram a preocupação da população: mais de 50% das pessoas que procuraram por atendimento não tinham qualquer doença – nem um simples resfriado – , enquanto 34% tinham sintomas de outras doenças e apenas 16% foram encaminhados para exames mais detalhados. A questão é: o que leva uma pessoa a buscar ajuda médica sem ter os sintomas da doença. A resposta pode ser simples: o medo de adquiri-la.

O medo é definido no Dicionário Aurélio como “um sentimento de grande inquietação ante a noção de um perigo real, imaginário ou de uma ameaça; susto, pavor, temor, terror”. O medo está em toda parte: há quem tenha medo de coisas conhecidas – como a doença, a violência, a morte, a escuridão; de algum animal, de subir em alturas elevadas; de coisas desconhecidas – é aquela pessoa que tem medo, mas não sabe bem do que; de que algo ruim aconteça com seus entes queridos; de perder o controle de sua própria vida... Enfim, há o medo que aparece sem causa, o medo que paralisa, o medo imediato, quando a pessoa se vê em perigo. A verdade é que todos os seres humanos têm algum medo.

Nos anos 30, o médico inglês Edward Bach, com base na constatação de que a falta de harmonia interior era a principal causa de doenças – se dedicou a criar um sistema de cura natural que fosse acessível a todas as pessoas. “A saúde depende de estarmos em harmonia com as nossas almas”, dizia Bach. O medo foi um dos estados negativos por ele detectado e mereceu especial atenção.

“Os 38 Florais de Bach estão divididos em sete grupos e o primeiro deles é justamente o do Medo”, explica a terapeuta e educadora Maria Aparecida das Neves – uma das mais graduadas brasileiras a trabalhar com os Florais de Bach originais. “Quem sofre com este sentimento – seja bebê, criança, jovem, adulto ou idoso – pode encontrar conforto e recuperação de suas forças para superar os problemas e viver de maneira mais plena e feliz”.

Quer saber mais? Clique aqui.

terça-feira, 7 de julho de 2009

Armas contra o stress


Bons tempos em que o estresse não passava de um chilique. O risco é entrar em estado de tensão permanente

- Explosões de raiva por qualquer motivo, insônia, enxaqueca, depressão, taquicardia, dor de estômago. O estresse manifesta-se de várias maneiras. Os sintomas, segundo a psicóloga Marilda Lipp, fundadora do Centro Psicológico de Controle do Stress e autora de 17 livros a respeito, como o recém-lançado Sentimentos que Causam Stress - Como Lidar com Eles (Editora Papirus), podem ser divididos em três categorias: físicos (náuseas, formigamento, enxaqueca, artrite, doenças cardiovasculares, diarreia, taquicardia, ranger de dentes, queda de cabelo, manchas de pele, entre outros); cognitivos (déficits de concentração e atenção, prejuízo de memória) e emocionais (medo, ansiedade e baixa estima).

De acordo com a psicóloga, antigamente o estresse era confundido com um chilique ou um ataque de nervos. Hoje, diz ela, os médicos já estão aptos a reconhecer os sintomas e até a população sabe identificar o problema:

- Perguntamos a 350 pessoas se sentiam que estavam estressadas e em que nível, numa escala de 1 a 5. Ficamos surpresos de verificar que a grande maioria conseguia se autodiagnosticar. Tivemos uma concordância de cerca de 80% entre a autopercepção e o diagnóstico dado por especialistas.

Com relação às profissões, estariam mais propensos ao estresse os policiais, juízes e pilotos de avião, afirma Marilda. E quem é mais estressado, o homem ou a mulher? Segundo ela, o estresse chega a ser duas vezes mais frequente no sexo feminino, independentemente das camadas sociais e faixas etárias:

- Há várias razões para isso, uma delas pode ter raiz na maneira como a sociedade trata a mulher desde criança, sempre disponível para atender às demandas de terceiros. Outra possibilidade seria a sobrecarga de trabalho. Ainda, surge como hipótese a forma como ela lida com os fatores de estresse. O homem, em geral, é "mais objetivo", parte logo para a resolução do problema. A mulher, muitas vezes, sofre e rumina os problemas, vivendo-os inúmeras vezes.

Como prevenção, o importante é saber utilizar, quando necessário, estratégias de enfrentamento, que podem ser aprendidas em qualquer momento da vida. Uma maneira eficaz, recomenda a psicóloga, é adotar hábitos de vida adequados - como a prática de esportes, passatempos, leitura, o autocuidado - e, acima de tudo, cultivar bons pensamentos. "Quando algo inevitável ocorrer em sua vida, tente dar a interpretação mais otimista possível. Não se recrimine por erros cometidos, nem fique agoniada com expectativas de que tudo vai dar errado. Mantenha sempre uma visão positiva e realista da vida, dos outros e de si própria. Esperar demais de qualquer um é, inevitavelmente, se expor a uma grande dose de decepção e estresse."

Em pequenas doses, o estresse melhora o desempenho e aumenta a produtividade. Porém, quando persiste e torna-se crônico, pode ter efeitos devastadores para a saúde e o bem-estar. Segundo o neurologista Rodrigo Schultz, professor de neurologia da Universidade Santo Amaro (Unisa), o estresse é sempre associado a coisas ruins, mas, na verdade, torna-se positivo ou negativo de acordo com a percepção de cada um. "Viver sob pressão é regra da vida moderna, e isso se aplica a crianças, jovens e adultos, principalmente na faixa dos 25 aos 40", diz ele, apontando algumas das preocupações frequentes hoje, como estudo, trabalho, dinheiro, saúde.

O gatilho do estresse é acionado quando a pessoa se defronta com uma situação de ameaça, seja ela objetiva ou subjetiva. "As glândulas suprarrenais são, então, encarregadas de fabricar os hormônios relacionados ao estresse: adrenalina, noradrenalina e cortisol." Com isso, pode ocorrer falta de ar, tensão muscular, taquicardia e aumento da pressão arterial e das taxas de colesterol.

Fazer algum tipo de atividade física ajuda, mas, segundo o médico, é preciso organizar as atividades, executando-as por ordem de urgência. "Não adianta começar alguma tarefa, deixá-la pela metade, começar outra e assim por diante. Daí o ditado: tudo a seu tempo. Também é fundamental se dedicar a um hobby ou passatempo", comenta.

O estresse não causa doenças, mas sim propicia o seu desenvolvimento, porque enfraquece o organismo e reduz a resistência. No topo da lista, estão as doenças cardiovasculares, como AVC (acidente vascular cerebral), enfarte do miocárdio, crise de hipertensão. "Também facilita o surgimento de resfriados, infecções e tumores." Podem ocorrer casos de depressão, pânico, medo de sentir medo (quando a pessoa sofre só de pensar que pode passar por um assalto, por exemplo) e transtorno de estresse pós-traumático.

Quanto ao tratamento, informa o médico, varia caso a caso e de acordo com os níveis do estresse. A medicação é indicada em situações críticas ou agudas, quando entram os antidepressivos, que propiciam solução imediata. "Mas vale lembrar que a vida nos submete a pressões cada vez maiores e não se pode tomar remédios a vida toda. É preciso aprender a lidar com as tensões."

Cientistas dos Estados Unidos afirmam que ouvir música pode ajudar no tratamento de pessoas que sofrem com estresse associado a doenças coronárias. Sendo assim, a música teria o poder de diminuir a pressão arterial, o ritmo cardíaco e os níveis de ansiedade nesses pacientes. A coordenadora do Curso de Musicoterapia da FMU (Faculdades Metropolitanas Unidas), Maristela Smith - formada em Musicoterapia pelo Centro Universitário do Conservatório Brasileiro de Música e com mestrado em Psicologia pela Universidade São Marcos -, endossa os benefícios da música para a saúde física e mental:

- É utilizada para aumentar, manter ou restaurar um estado de bem-estar. Os especialistas veem vários benefícios, como melhora da coordenação motora, redução da ansiedade, do sentimento de solidão e da depressão, reforço no sistema imunológico e estímulo ao convívio social.

Que tipo acalma? Se você pensou exclusivamente em música clássica, errou. Segundo Maristela, não há um receituário. Cada pessoa traz na sua bagagem de vida um repertório musical e afetivo próprios. "Pegue um caderno e faça uma lista, anotando por ordem de importância músicas que marcaram sua vida, quando tinha 5 anos, 15 anos, o primeiro beijo ou quando se casou, e faça um CD. Leve na bolsa, ouça no trânsito ou mesmo faça uma pausa no escritório. Bastam dez minutos por dia para restabelecer a calma."

Algumas dicas ajudam a potencializar os efeitos da música. "Existe uma grande diferença entre ouvir e escutar. É fundamental escolher um ambiente calmo, sem interferências de ruídos, de forma que se processe os sons mentalmente", recomenda.

Segundo Tereza Mello, da ONG Brahma Kumaris, a meditação raja ioga consiste na criação de pensamentos construtivos e elevados, de natureza espiritual, visando a estabelecer um estado mental de harmonia e tranquilidade interna. "Fisicamente, nos sentimos mais dinâmicos e leves e, mentalmente, a clareza aumenta."

Ter um ambiente propício para se concentrar ajuda bastante, mas não é pré-requisito, uma vez que o mais importante é manter uma atitude positiva. Quanto ao tempo dedicado à meditação, depende do que o praticante quer alcançar. "Para os iniciantes, é aconselhável dez minutos por dia. Depois esse tempo vai aumentando gradualmente."

Atenção à respiração: "Na medida em que a velocidade dos pensamentos é reduzida, podemos eliminar as inutilidades internas e, com isso, naturalmente, a respiração torna-se mais lenta." Para quem quiser saber mais a respeito, a ONG (www.bkwsu.org/brasil) oferece cursos mensais de meditação.

De acordo com a psicóloga Maria Aparecida das Neves, educadora especializada em terapia complementar e à frente da DisqFloral & Aromaterapia, os óleos essenciais são os antioxidantes poderosos da natureza: varrem os radicais livres do organismo, ajudando a manter o estado de bem-estar. "São grandes aliados femininos, pois ajudam a limpar os sentimentos negativos e emoções bloqueadas, eliminando a raiz que gera doenças ou condições para que elas se manifestem."

Com anos de experiência em florais de Bach, a terapeuta sugere a complementação do relaxamento aromaterápico com música instrumental. "Acabamos de lançar um CD com 38 músicas compostas e executadas pelos músicos Adriano Grinberg e Edu Gomes, feitas sob medida para cada uma das essências catalogadas pelo médico inglês Edward Bach."

Quando se pensa em aromaterapia, um item muito importante é checar a procedência dos óleos, uma vez que sua absorção (por via respiratória e pela pele) é quase que imediata, diz a terapeuta. Nem todas as pessoas têm informações de como utilizá-los no dia a dia: "Para definir que óleo escolher, primeiro é preciso fazer uma autoavaliação. Se a ideia é relaxar, o mais conhecido é o de lavanda. Mas também podem ser usados os de camomila romana ou bergamota."

É possível beneficiar-se dos óleos essenciais por meio de inalação a vapor, vaporização no ambiente, escalda-pés, banho aromático (na banheira) e automassagem localizada. O óleo essencial deve sempre ser misturado ao óleo vegetal de base. A diluição indicada é de 1 ml de óleo essencial para 50 ml de óleo de base. O ideal é usar os óleos pela manhã ou à noite, descansada.

O marroquino Amal Hanafi escolheu o Brasil para divulgar as atividades da AYASPA, empresa especializada no gerenciamento de spas de luxo. Segundo ele, a indústria do bem-estar movimenta hoje mais de US$ 1 trilhão por ano, impulsionada pelo estilo de vida cada vez mais estressante e por perspectivas mundiais de longevidade. Hanafi quer apresentar aos brasileiros um novo conceito, em voga entre os europeus: "Com origem no Marrocos, o hammam é um ritual ancestral de limpeza e purificação do corpo e da alma. A palavra vem de 'hamma' (esquentar, em árabe) e oferece um relaxamento com aromaterapia, esfoliação, máscara e massagem drenante." Os cariocas serão os primeiros a desfrutar do relax de luxo.

FONTE: O ESTADO DE S.PAULO - SUPLEMENTO FEMININO - 28/06/2009

JORNALISTA: VERA FIORI

quinta-feira, 4 de junho de 2009

A História da Cromoterapia



CROMOTERAPIA é o tratamento através da cor.
Cromo = cor.
Terapia = tratamento.

A cromoterapia é a ciência que emprega as diferentes cores para alterar ou manter as vibrações dos corpos na freqüência que resulta em saúde, bem estar e harmonia.

Os raios coloridos podem ou não ser visíveis ao olho humano. Podem ser aplicados fisicamente, através de uma exposição efetiva aos raios luminosos ou mentalmente, através de técnicas de sugestão, visualização ou meditação.

Desde a mais remota antigüidade já se tinha conhecimento da importância do espectro da luz sobre nossas vidas e da importância do conhecimento da sua utilização. O tratamento pela cor foi, possivelmente, o primeiro tipo de terapia empregado pelo homem pois é um método que existe na própria natureza, sendo um recurso natural para conservar o organismo equilibrado e em harmonia, tanto absorvendo as cores naturais como usando as cores através da ingestão de alimento.

Nos tempos da Atlântida as doenças físicas, mentais e emocionais eram tratadas com as cores que irradiavam dos cristais. Os seus habitantes construíram um templo de cura cuja entrada era constituída por 12 degraus; o paciente subia por eles e passava por 12 colunas, 6 de cada lado. Entrava, então, em uma sala redonda que era o coração do templo. O teto dessa sala era formado por cristais que formavam símbolos e emanavam determinada cor. Em volta da sala principal havia salas individuais de cura, cada uma com uma cor diferente para um fim específico. Estas salas eram usadas tanto para cura física como para partos, problemas de relacionamento, problemas emocionais e para a passagem desta vida.[...]

Os egípcios também construíram templos de cura com salas que tinham janelas de cristal ou vidro que filtravam a luz que emanava as cores do espectro. As pessoas passavam por um diagnóstico e depois eram colocadas em uma sala que emanava a cor da qual estavam precisando. Eles também usavam os cristais, pois acreditavam que eles possuíam as cores puras do Universo.

Durante a Idade Média, no Ocidente, a Cromoterapia era usada somente por iniciados, uma vez que a Igreja Católica considerava sua prática como bruxaria.
Em 1665, o físico Isaac Newton (1643-1727) descobriu que a luz branca do sol, ao atravessar um prisma, decompunha-se em sete cores fundamentais: vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, índigo e violeta. Assim sendo, as cores são vibrações diferentes do espectro luminoso, cada uma com um comprimento de onda diferente.

No inicio do séc. XIX, com o grande salto de medicina alopata, a cromoterapia, bem como as outras terapias naturais foram esquecidas. No entanto, no final do mesmo século, Pancoast, em seu livro A Luz Azul e Vermelha, ressuscitou essa técnica utilizando panos e pequenos pedaços de vidro azul e vermelho por onde passavam as luzes.

Em 1878 Edwin Babbit publicou o livro : The Principles of Light and Colour. Ele se diferenciou de Pancoast porque acrescentou ao tratamento a cor amarela e criou pequenas cabines chamadas Thermoline, onde utilizava a luz direta do sol. Esta cabine mais tarde foi remodelada passando a usar um disco com filtros coloridos usando a eletricidade. Ele também fez uso da água solarizada.

Em 1934 Dinshan Gadhiali publicou o terceiro volume do seu trabalho sobre o espectro cromático. Ele acreditava que o som, a luz, a cor, o magnetismo e a audição estavam na mesma energia, diferenciando apenas a freqüência vibracional. Ele constatou que a cor tem a mesma freqüência vibracional do corpo físico e assim, inventou uma máquina que transmitia a cor através de slides.

Atualmente a Cromoterapia vem sendo usada com ótimos resultados como auxiliar nos tratamentos de doenças físicas, emocionais e espirituais. Podemos ver na prática diária, por exemplo, a ação da cor como calmante, ajudando pessoas com insônia a dormir melhor. No campo físico, temos tido resultados excelentes no auxilio ao tratamento de tendinite, fraturas e todo o tipo de problemas ósseos.

Nos próximos artigos, explicaremos as características das cores, as técnicas de aplicação, bem como o seu uso em decoração, vestuário, etc.

(Texto de Silvia Fávero (retirado do site Somos Todos Um)

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Astrologia - O conhecimento da vida


A Astrologia é o conhecimento mais antigo da Humanidade, pois no momento em que o Homem olhou para o céu, e contemplou as estrelas, ali surgiu o seu interesse pelo movimento dos Astros e Estrelas. Com o passar do tempo, pela observação, ele pode perceber as influências desse elementos celestes, nos reinos mineral, vegetal, animal e hominal.

As civilizações mais antigas, como os Caldeus e Egípcios, passaram a se utilizar desse conhecimento, para facilitar a vida de todos, no trabalho e na própria sobrevivência humana.

"Astrologia é uma linguagem simbólica que correlaciona a posição dos corpos celestes em um determinado momento com as características deste momento em um determinado local aqui na Terra. Com isso, podemos saber que tipos de energias estão mais atuantes em um determinado fato, desde um nascimento até um fato político/econômico. Podemos com isto analisar tendências e características deste determinado fato, o que vai nos ajudar a lidar com o mesmo da melhor maneira. Por exemplo: se sabemos de antemão as principais tendências de personalidade de uma criança que acabou de nascer, podemos orientar sua educação para que ela se torne um adulto mais realizado e feliz. Por outro lado, se sabemos as características de uma empresa, e do indivíduo que nela vai trabalhar, este pode ser colocado no cargo em que ofereça melhor rendimento. Astrologia estuda os ciclos de vida, as "voltas que a vida dá". Não é ciência nem arte, porque é mais que as duas. Através da Astrologia, podemos ter a síntese de um determinado tempo e lugar, e como eles se refletirão na vida do interessado."
FONTE: www.estrelaguia.com.br

por Sandra BaptistaLink

quinta-feira, 2 de abril de 2009

A Magia das Cachoeiras

video

Kuan Shi Yin




Sempre me perguntam quem é Kuan Yin... Trata-se de uma força fantástica de Misericórdia, Compaixão e Amor Incondicional. Sou devotada a ela, há alguns anos, mas sei que sua força me acompanha desde o minuto em que vim ao mundo.

Sou iniciada no Magnified Healing, sua energia de cura, apresentada ao mundo desde 1983, e posso dizer, que é uma das formas mais incríveis de se expressar energias através das mãos.


Kuan Shih Yin Tzu Tsai, significa 'a soberana que se preocupa com os sons do mundo'. De acordo com a lenda, ela parou no umbral do céu para ouvir os clamores do mundo. Kuan Yin já era adorada na China antes do advento do Budismo, passando a ser adotada pelos budistas como uma encarnação de Avalokitesvara (Padmapani), cuja intercessão tem sido invocada ao longo dos séculos por devotos que entoam as seis sílabas místicas 'OM MANI PADME HUM'. No Ocidente acabou por se tornar conhecida como a Deusa da Misericórdia.
Segundo a tradição, Kuan Yin teria encarnado como a terceira filha de Miao Chuang Wang, identificado como sendo da dinastia Chou, governante de um reino do norte da China, por volta do ano 696 A.C.. De acordo com a lenda, ela se determinara a seguir uma vida religiosa, tendo se recusado a casar, apesar das ordens do seu pai, e das súplicas dos seus amigos. Entretanto, foi-lhe finalmente permitido ingressar no Convento de Freiras do Pássaro Branco, em Lungshu Hsien. Aí, por ordens do seu pai, foi submetida às mais árduas tarefas, que de forma alguma enfraqueceram o seu zeloso amor por Deus.
Enraivecido pela sua devoção, Miao Chuang Wang (seu pai), ordenou que fosse executada, mas quando a espada a tocou partiu-se em mil pedaços. Seu pai então ordenou que fosse asfixiada, mas quando a sua alma deixou o seu corpo, e desceu até o inferno, transformou-o num paraíso. Transportada numa flor-de-lótus até a Ilha de P'ootoo, próxima a Nimpo, aí viveu durante nove anos, curando os enfermos, e salvando marinheiros do naufrágio. Certa vez, quando soube que seu pai estava muito doente, cortou um pedaço da carne dos seus braços, e usou-a como um remédio que lhe salvou a vida. Em gratidão, ele ordenou que uma estátua fosse erigida em sua honra.
Depois de levar uma vida com muitos méritos pelas suas ações, quando estava as portas do céu, para ser admitida como deusa, ouviu os gemidos da Humanidade que sofria. Renunciou aos céus, por amor a Humanidade, dizendo que enquanto houver um ser vivente que ainda sofra, ela estará aqui entre nós, com seu Amor Incondicional e sua Misericórdia Infinita. Foi então considerada uma bodisatwa, ou seja, uma semi-deusa. Kuan Shi Yin, significa "Aquela que ouve os choros e os lamentos do mundo".
Namo Tapei Kuan Shi Yin Pusa

Por Sandra Baptista

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009



O Qualidade de Vida através das Praticas Psicossomáticas Taoístas


(Tai Chi Qi Gong)


Considerando o que os chineses da antiguidade, responsáveis por toda a base e filosofia que sustenta a Medicina Tradicional Chinesa acreditavam, todos os problemas de saúde que temos são frutos do nosso emocional em desarmonia. Na psicologia diz-se que as nossas emoções não trabalhadas atingem um grau “psicossomático“ ou seja, ficam de tal forma estagnadas que acabam manifestando-se em nosso corpo em forma de nódulos ou mecanismos de defesa em um grau patológico. Dentre inúmeras maneiras de se tratar tais problemas e melhorar a qualidade de vida das pessoas, os chineses criaram séries de exercícios que incluem procedimentos com meditação, respiração, posturas de captação de energia e movimentos, que chamaram de Qi Gong, onde Qi=Energia Vital e Gong=Cultivo, logo entende-se por Qi Gong o CULTIVO DA ENERGIA VITAL. Como partem do contrário do processo psicossomático de manifestação da doença, os exercícios iniciam pelo corpo, pela respiração, pelo movimento, pela meditação, pelas posturas, um caminho para resolver não apenas os sintomas hoje apresentados na pessoa, mas a origem desse problema, já que Qi Gong trata acima de tudo o estado emocional das pessoas. Além de tratar em paralelo, questões ligadas à stress, ansiedade, insônia, problemas respiratórios, faz a reabilitação, correção e manutenção postural e possibilita o aumento da consciência corporal e do CHI(Energia Vital). Dentre inúmeras técnicas existentes hoje, o TAI JI QI GONG, técnica marcial de QI GONG, originária do TAI CHI CHUAN( arte marcial chinesa ) dentro da perspectiva terapêutica em 18 movimentos( 1+8=9 )* possibilita ao praticante, dentro de suas formas extremamente harmônicas, a possibilidade de se atingir novamente a harmonização do corpo, da mente e das emoções. Ao se praticar Tai Ji Qi Gong em 18 movimentos se pode ainda melhorar a disposição física e mental, obter estímulo à intuição e clarividência e perceber que realmente além de ser uma das ferramentas mais importantes da Medicina Tradicional Chinesa é também uma maneira rica e prazerosa de se praticar exercícios cuidando da saúde sozinho ou em grupo. Com a prática constante é possível ainda, regularizar os canais de energia(Meridianos) e estabelecer a harmonia geral entre os 5 elementos da natureza representados também em nosso corpo através dos órgãos e das vísceras. Assim se pode viver melhor e com melhor qualidade de vida.
* O número 9 é considerado um número mágico dentro da filosofia oriental chinesa. Assim como o quadrado mágico é dividido em 9 partes iguais, alguns instrutores de Qi Gong procuram fazer 9 vezes cada movimento de Qi Gong ou múltiplos de 9. Alguns terapeutas utilizam 9 gotas de florais; na utilização de chás, administra-se 3 xícaras 3 vezes ao dia, cuja soma é 9 (por 9 dias) e asLinksim por diante.

Tai Ji Qi Gong – Um caminho harmônico para sua saúde e felicidade.

por Sandro Bianchi Manoel


Olá, Seja muito bem vindo!!!

Este é o lugar para tratar do corpo e da alma!!!!